Postagens

Mostrando postagens de Novembro 3, 2013

Pintura corporal substitui cadáveres em aulas de anatomia

Imagem
Vantagens do bodypainting, segundo professoras, são movimento, possibilidade de interação e coloração mais adequada da musculatura


Demétrio Rocha Pereira demetrio.pereira@zerohora.com.br
De costas para uma turma de primeiro semestre, estudantes todos estreantes numa aula desse tipo, a modelo Roselaine Cabral serve de suporte para a obra do pintor Euler de Paula Silva. Nua cintura acima, Roselaine estica os braços, alonga para lá, encolhe para cá, e assim Cinara Garrido, professora de Morfologia Humana, vai apresentando as identidades de cada músculo dorsal, não sem antes confiar aos alunos a chance de arriscar uma resposta certa.
Na Faculdade de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul (Fadergs), é com bodypainting que se aprende anatomia.
— Pensei que seria menos nítido. Já fiz anatomia com cadáveres em outras disciplinas, quando cursava Biologia, e vi uma diferença gritante — diz o estudante Régis Cunha, reparando que "o cadáver sofre ação de químicos e pode ter sido muito manuseado&qu…

CIENTISTAS DESCOBRIRAM UMA NOVA PARTE DO CORPO

Imagem
Depois de séculos de ciência médica, pensei que os doutores já conheciam a anatomia humana por completo. Mas não é o caso: em junho, cientistas descobriram uma nova parte do corpo humano, que fica dentro dos olhos. E agora, segundo o ScienceDaily, temos a descoberta de um novo elemento do corpo chamado de ligamento anterolateral, que aparentemente estava escondido esse tempo todo em nossos joelhos.







De acordo com o ScienceDaily, “a Anatomical Society [do Reino Unido] elogiou a pesquisa por ser muito revigorante, e agradeceu aos pesquisadores para lembrar ao mundo da medicina que, apesar do surgimento de tecnologias avançadas, o conhecimento da anatomia básica do corpo humano ainda não acabou.” Este ligamento foi postulado pela primeira vez em 1879, por um cirurgião francês, mas só agora ele foi confirmado por dois médicos do University Hospitals Leuven, na Bélgica.






Os cirurgiões ortopédicos Steven Claes e Johan Bellemans foram os primeiros a identificá-lo usando técnicas de dissecação mac…