OUTUBRO ROSA

Câncer de mama

Numerosos estudos médicos têm produzido evidências de que o vinho pode ajudar a prevenir alguns tipos de câncer, e até a tratá-los. Dessa vez, a boa notícia do mundo de Baco é para as mulheres que sobreviveram ao câncer de mama.
Trata-se de um estudo do Fred Hutchinson Cancer Research Center, realizado com cerca de 5.000 pacientes de câncer de mama, e publicado recentemente no Journal of Clinical Oncology.
Fred Hutchinson Cancer Research Center é uma organização de pesquisa sem fins lucrativos, que trabalha pela prevenção, detecção e tratamento do câncer e de doenças relacionadas. De renome mundial, conta com três cientistas reconhecidos pelo prêmio Nobel.
Segundo esse estudo, as mulheres que tiveram câncer de mama não precisam virar abstêmias, e podem, inclusive, beneficiar-se do consumo moderado de vinho.
Contrariando pesquisas anteriores, que relacionavam o consumo de álcool ao aumento do risco de desenvolver câncer de mama, esses pesquisadores afirmam que o hábito de beber vinho, antes e depois do diagnóstico, não tem impacto sobre as taxas de sobrevivência à doença.
Os pesquisadores revelaram que o consumo de álcool nos anos que antecederam o diagnóstico não foi associado com a probabilidade de morrer de câncer de mama.
Na realidade, o estudo afirma, inclusive, que o consumo moderado traz até um pequeno benefício para essas mulheres, na medida em que diminui o risco de morte por doença cardiovascular, que é a principal causa de mortalidade entre as mulheres que ficaram curadas do câncer de mama.
Aquelas mulheres que relataram ter consumido entre 3 e 6 taças de vinho por semana, nos anos que antecederam o diagnóstico, demonstraram ter 15% menos chance de morrer de doenças cardiovasculares do que as que se declararam abstêmias.
Polly Newcomb, o principal autor do estudo, e diretor do Programa de Prevenção ao Câncer do Fred Hutchinson Center, aventou, ainda, a possibilidade das mulheres que bebem com responsabilidade serem mais sensíveis às terapias hormonais, o que ainda precisa ser mais pesquisado.
Sempre vale lembrar que moderação é palavra de ordem, que a opinião que realmente importa é a do seu médico, e que, se há controversas mesmo entre cientistas, imagine, então, entre nós, leigos no assunto, mas amantes do vinho!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolo Integral de Maçã e Nozes

Bolo de Chocolate sem Glúten