AVC em mulheres: American Heart Association publica nova diretriz sobre fatores de risco exclusivos das mulheres e sobre prevenção cardiovascular para o sexo feminino

Esta diretriz se concentra nos fatores de risco para acidente vascular cerebral (AVC) exclusivos para as mulheres, tais como fatores reprodutivos, e naqueles que são mais comuns em mulheres, incluindo a enxaqueca com aura, a obesidade, a síndrome metabólica e a fibrilação atrial.




Os membros do grupo que escreveram a diretriz foram nomeados com base em seus trabalhos anteriores em tópicos relevantes nesta área e foram aprovados pela American Heart Association (AHA) Stroke Council’s Scientific Statement Oversight Committee e pelo AHA’s Manuscript Oversight Committee. O painel revisou artigos relevantes da literatura médica até 15 de maio de 2013. O documento passou por extensa revisão interna na AHA, no Stroke Council Leadership e Scientific Statements Oversight Committee antes da apreciação e aprovação pela AHA Science Advisory e pelo Coordinating Committee.


Evidências atuais foram fornecidas, assim como foram preenchidas lacunas de pesquisa e recomendações sobre o risco de acidente vascular cerebral relacionado à pré-eclâmpsia, uso de anticoncepcionais orais, menopausa e reposição hormonal, bem como para os fatores de risco mais comuns em mulheres, tais como a obesidade/síndrome metabólica, a fibrilação atrial e a enxaqueca com aura.


Alguns pontos de destaque são:

  • Pré-eclâmpsia: a hipertensão arterial é um fator de risco modificável para o acidente vascular cerebral. A pré-eclâmpsia é a hipertensão arterial específica da gravidez. Segundo as recomendações desta diretriz, mulheres com histórico de hipertensão arterial devem ser consideradas por seus médicos para o uso de baixas doses de aspirina e suplementação de cálcio para evitar a pré-eclâmpsia. A hipertensão arterial aumenta o risco de AVC durante a gravidez e após o parto este maior risco acompanha a mulher ao longo de vários anos de vida.
  • Uso de contraceptivos orais: os fatores de risco cardiovasculares podem ser desencadeados pelo uso de pílulas anticoncepcionais orais. Para evitar tais riscos, antes de iniciar o uso deste tipo de medicação, as mulheres devem ser avaliadas e orientadas por seus médicos sobre fatores de risco tais como tabagismo, pressão alta e história familiar de acidentes vasculares cerebrais.
  • Enxaqueca com aura: mulheres que sofrem com crises intensas de dor de cabeça que vem precedida de um sintoma visual (aura) têm um risco aumentado para AVCs e devem ser acompanhadas por seus médicos, além de abandonarem o cigarro, caso tenham este hábito.
  • Depressão: a depressão é mais comum em mulheres do que em homens. Ela é também um fator de risco para doenças cardiovasculares. É importante avaliar as medidas preventivas que podem ser realizadas neste grupo de pacientes.

Concluiu-se que para refletir com mais precisão sobre o risco de derrame em mulheres durante toda a vida, bem como sobre as lacunas existentes nos escores de risco atuais, um escore de risco de acidente vascular cerebral específico para o sexo feminino é justificado.



NEWS.MED.BR, 2014. AVC em mulheres: American Heart Association publica nova diretriz sobre fatores de risco exclusivos das mulheres e sobre prevenção cardiovascular para o sexo feminino. Disponível em: <http://www.news.med.br/p/medical-journal/521954/avc-em-mulheres-american-heart-association-publica-nova-diretriz-sobre-fatores-de-risco-exclusivos-das-mulheres-e-sobre-prevencao-cardiovascular-para-o-sexo-feminino.htm>. Acesso em: 4 mar. 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolo Integral de Maçã e Nozes

Bolo de Chocolate sem Glúten